terça-feira, 10 de abril de 2012

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DO MEMBRO PÉLVICO


Complementos para osteologia, anatomia dos animais domésticos I.
A face glútea do osso coxal é uma região côncava que serve de origem para os mm. glúteos.
O forame obturado é preenchido pelos mm. obturadores.
A articulação entre o osso sacral e a tuberosidade sacral do íleo é chamada articulação sacroilíaca.
Ramos do ílio, ísquio e púbis que vão em direção ao acetábulo podem ser chamados de corpos de seus respectivos ossos.
O pênis fica inserido no arco isquiático do osso coxal.
Linha arqueada forma o canal pélvico onde passam fezes, urina, feto, etc.
Articulações do membro pélvico
Articulação coxo-femoral - Osso coxal e cabeça do fêmur, quadril.
Articulação fêmoro-tibio-patelar - Fêmur, tíbia e patela, joelho.
Articulações tibiotársicas – tíbia e ossos társicos, tornozelo ou jarrete.
Articulações tarso-metatarsicas – ossos társicos e metatársicos, tornozelo ou jarrete.
Articulação metatarsofalangeana – ossos metatársicos e falanges, dedos.
Articulações interfalangeanas – entre falanges, dedos.
Ossos sesamóides
Patela, ou joelho.
Sesamóides proximais, localizados na face caudal do fêmur. Inserção dos mm. gastrocnêmios.
Sesamóide navicular, localizado na articulação metatarsofalangeana.
Sesamóides são ossos pequenos que ficam no trajeto de tendões, mantendo-os alinhados.
Topografia ou regiões do membro pélvico
Região ao redor do fêmur: Coxa.
Região ao redor da tíbia e fíbula: perna.
região ao redor do tarso aos dedos: pé.
Todos os animais domésticos apresentam uma postura digitígrada, apoio com a ponta dos dedos. Primatas, ursídeos e seres humanos apoiam-se no chão com a planta do pé, plantígrada. Guaxinin ou mão pelada se apoia das duas formas.

Cães e bovinos apresentam um sulco troclear muito raso, por isso é comum encontrar frequentes casos de Luxação de patela.
Em carnívoros e suínos a fíbula ocupa toda a extensão lateral da tíbia, por isso o maléolo lateral pertence à tíbia, chamado assim de maléolo fibular. Em ruminantes e equinos a fíbula não se estende até o final da tíbia, por isso o maléolo lateral pertence à tíbia, chamado então de maléolo lateral.
A tuberosidade calcânea é o ponto de inserção de um tendão formado por CINCO músculos.
Carnívoros não possuem 1º dedo, ou polegar. Quando aparece é  considerado anomalia.
Músculos
Os músculos do membro pélvico não apresentam separação em extrínseco ou intrínseco.
Musculos caudais da coxa
Musculos craniais da coxa
Músculos laterais da coxa
Músculos mediais da coxa
Músculos craniais da perna
Músculos caudais da perna
Músculos caudais da coxa fazem flexão do joelho, músculos craniais da coxa fazem extensão do joelho, antagônicos na posição e função.
Músculos mediais da coxa fazem adução, músculos laterais da coxa fazem abdução.
Músculos craniais da perna fazem flexão do tarso ou extensão dos dedos.
Músculos caudais da perna fazem extensão do tarso ou flexão dos dedos.
Musculatura caudal da coxa
É formada por 4 mm. principais.
M. Bíceps femoral, maior e mais forte.
M bíceps femoral se insere na tuberosidade calcanear.
M. semitendinoso
M. semimembranoso possui dois ventres.
M. abdutor crural caudal, delgado, muito fino que se origina na tuberosidade isquiática e se insere na margem cranial da tíbia.
N. isquiático fica sob o bíceps femoral.
Entre o m. bíceps femoral e m. semitendinoso encontramos o linfonodo poplíteo.


Musculatura medial da coxa, adutores
O m. sartório, apenas nos carnívoros, apresenta uma porção cranial e uma caudal – duas fitas musculares.
M. gráscio, amplo e delgado. Não tem origem em osso, mas sim aponeurose (tecido conjuntivo) proveniente da sínfise pélvica. Insere-se na tuberosidade calcanear.
M. pectíneo, músculo pequeno fusiforme, com tendão longo e estreito.
Trígono femoral – espaço triangular pelo qual transitam vasos e nervo femoral (nervo, artéria e veia femoral). Aferimos as pulsações por minuto. O ruído cardíaco deve coincidir com a pulsação. Se isso não acontecer, está ocorrendo arritmia.


Musculatura lateral do membro
Corresponde à musculatura da região glútea, fazem abdução do membro pélvico, restrito em grandes animais.
O m. glúteo superficial é o mais fino, o m. glúteo médio é o mais forte e o m. glúteo profundo é bem raso em forma de leque. O m. glúteo superficial encobre parcialmente o m. glúteo médio, que por sua vez encobre completamente o m. glúteo profundo.


Musculatura cranial da coxa, extensão do joelho
Os músculos craniais da coxa. O m. quadríceps femoral apresenta quatro músculos, três vastos e um reto femoral. M. vasto lateral, vasto medial e vasto intermédio. Todas as porções têm inserção na tuberosidade da tíbia e são inervados pelo nervo femoral.
Os vastos se originam da parte cranial, lateral e medial da cabeça do fêmur. O m. reto femoral se sobrepõe sobre os mm. vastos. Quando chegam à patela, a fascia dos 4 músculos forma um único tendão que se insere na tuberosidade da tíbia. Ligamento patelar ou ligamento dos músculos quadríceps femoral.

Musculatura cranial da perna, flexão do tarso/tornozelo ou extensão dos dedos
Nos carnívoros, é formado por 5 músculos:
Tibial cranial, extensor longo dos dedos, fibular longo, extensor lateral do dedo e fíbular curto.
Extensão dos dedos: extensor longo dos dedos, extensor lateral dos dedos.
Flexão do tarso: tibial cranial, fibular longo, fibular curto.
M. extensor longo dos dedos do membro pélvico equivale ao tendão extensor digital longo do membro torácico.


Musculatura caudal da perna, extensão do tarso ou flexão dos dedos
O m. gastrocnêmio apresenta duas porções: medial e lateral. Encobre o m. flexor superficial dos dedos. Formam o tendão calcâneo comum, com inserção na tuberosidade calcanear.
O m. Flexor profundo dos dedos fica aderido na parte caudal da fíbula e se insere nos dedos.
Flexão dos dedos: flexor superficial e profundo dos dedos.
Extensão do tarso: m. gastrocnêmio.



TENDÃO CALCÂNEO COMUM É FORMADO PELOS 5 MÚSCULOS QUE SE INSEREM NA TUBEROSIDADE CALCÂNEA.
SE OCORRER ROMPIMENTO DO TENDÃO, O ANIMAL DEIXA DE FAZER EXTENSÃO DO TARSO E FLEXÃO DOS DEDOS, NÃO CONSEGUE MANTER A POSTURA DIGITÍGRADA E PASSA A SER PLANTÍGRAFO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário